Maurício Arruda e sócios falam sobre as construções de narrativas da arquitetura

O ARQUITETO MAURÍCIO ARRUDA E SEUS SÓCIOS TRABALHAM PARA QUE SEUS PROJETOS PROMOVAM SENSAÇÕES E MEMÓRIAS. EM ENTREVISTA, ELES TAMBÉM FALAM SOBRE A SUSTENTABILIDADE NO DESIGN

POR ROBERTA CIVITARESE

Con­heci­do e recon­heci­do pela exper­iên­cia na arquite­tu­ra, Mau­rí­cio Arru­da é tam­bém o apre­sen­ta­dor do pro­gra­ma Dec­o­ra, exibido no canal GNT, o que lhe per­mi­tiu con­quis­tar um alcance ain­da maior. Sua didáti­ca para explicar as mudanças feitas nos ambi­entes e ensi­nar soluções aos tele­spec­ta­dores tem mui­ta relação com os dez anos de exper­iên­cia como pro­fes­sor de Design de Inte­ri­ores. Mau­rí­cio é grad­u­a­do Arquite­tu­ra pela Uni­ver­si­dade Estad­ual de Lon­d­ri­na e Mestre em Arquite­tu­ra e Tec­nolo­gia das Edi­fi­cações pela Uni­ver­si­dade de São Paulo e inclui no cur­rícu­lo palestras que min­is­tra em várias cidades brasileiras, além de con­sul­to­ria para diver­sas mar­cas.

Mau­rí­cio Arru­da tam­bém se desta­ca pela cri­ação em design de pro­du­tos e já teve até uma peça incluí­da no acer­vo de Design do Clube de Cole­cionadores do MAM, o Museu de Arte Mod­er­na de São Paulo. Toda essa exper­tise fez com que seu escritório, o Todos Arquite­tu­ra, se desen­volvesse com um per­fil ver­sátil e con­tem­porâ­neo. Val­orizan­do ain­da mais a empre­sa estão os sócios Fábio Mota e Laís Del­bian­co, profis­sion­ais expe­ri­entes, que se com­ple­men­tam e man­têm as prin­ci­pais car­ac­terís­ti­cas de seus pro­je­tos: a arquite­tu­ra sus­ten­táv­el e a con­strução de nar­ra­ti­vas, que vão além do design, des­per­tan­do sen­sações.

Entrevista

1 – Vocês, como equipe, acreditam que a arquitetura constrói uma narrativa. Qual a narrativa construída por vocês com o escritório?

R.: 

(Todos Arquite­tu­ra) Nos­sos pro­je­tos não pos­suem um úni­co esti­lo, mas todos são pau­ta­dos pela for­ma como encar­amos a arquite­tu­ra e o design. Esta for­ma de ver o mun­do está expres­sa no nos­so man­i­festo abaixo:

Nossos projetos despertam sensações, estabelecem relações, geram experiências e produzem memória.”

Para nós, a arquite­tu­ra deve ser ver­sátil e aber­ta a out­ras dis­ci­plinas e maneiras de pen­sar e enten­der as pes­soas, o espaço e o mun­do con­tem­porâ­neo.

2 – E com os clientes? Como passar essas experiências por meio dos projetos?

R.: (Todos Arquite­tu­ra) Toda cri­ação pre­cisa, além de inspi­ração, de um méto­do. Bus­camos rev­e­lar a essên­cia da mar­ca de nos­sos clientes, enten­der a maneira como as pes­soas se rela­cionam com ela até chegar­mos no insight e no con­ceito que guiarão o desen­volvi­men­to cria­ti­vo.
Pen­samos o design de for­ma estratég­i­ca, pois acred­i­ta­mos na capaci­dade de o design entre­gar assim como estéti­ca, tam­bém soluções de negó­cios.
Acred­i­ta­mos no tra­bal­ho que se desen­volve através da visão com­par­til­ha­da entre design­er e cliente. Nos nos­sos pro­je­tos, o cliente é parte essen­cial durante todo o per­cur­so.
Cada pro­je­to é úni­co, por isso tra­bal­hamos em rede. Nos conec­ta­mos a difer­entes profis­sion­ais de acor­do com as car­ac­terís­ti­cas e neces­si­dades dos pro­je­tos. Antropól­o­gos, fotó­grafos, ilustradores, artis­tas plás­ti­cos e engen­heiros — civ­il e ambi­en­tal — são alguns deles.

3 – Essa é a essência do branding 3D, especialidade da Todos Arquitetura?

R.: (Todos Arquite­tu­ra) Nos­sos pro­je­tos nascem da leitu­ra da mar­ca, públi­co rela­ciona­do e con­tex­to. A junção dessas três leituras chega ao par­tido cria­ti­vo que ori­en­ta nos­sos pro­je­tos e, assim, nos­sos pro­je­tos refletem a iden­ti­dade e os atrib­u­tos especí­fi­cos de cada mar­ca.
Espe­cial­iza­dos em brand­ing 3D, esta­b­ele­ce­mos através de nos­sos pro­je­tos uma conexão emo­cional entre pes­soas e mar­cas.

4 – Contem um pouco sobre a atuação dos três no escritório. Vocês possuem perfis que se complementam…

R.: (Todos Arquite­tu­ra) O Mau­rí­cio Arru­da é sócio fun­dador e dire­tor cria­ti­vo — Arquite­to espe­cial­ista em Arquite­tu­ra Sus­ten­táv­el; o Fábio Mota é sócio fun­dador e dire­tor exec­u­ti­vo — Admin­istrador espe­cial­ista em Gestão da Ino­vação; e a Lais Del­bian­co é sócia e dire­to­ra de pro­je­tos — Arquite­ta espe­cial­ista em Gestão de Pro­je­tos.
O escritório nasceu do encon­tro do Fábio com o Mau­rí­cio. O Fábio veio de grandes multi­na­cionais como Unilever e Natu­ra, nas quais teve uma pro­fun­da exper­iên­cia com o uni­ver­so de cri­ação e gestão de mar­cas. Apaixon­a­do por design de inte­ri­ores se jun­tou ao Mau­rí­cio Arru­da para mon­tar um escritório que desen­volvesse uma arquite­tu­ra cen­tra­da nas pro­postas de val­or das mar­cas. Um pouco depois, a Lais pas­sou a faz­er parte da sociedade, trazen­do o seu con­hec­i­men­to téc­ni­co e capaci­dade de gestão de pro­je­tos de alta com­plex­i­dade.

Vídeo: TODOSARQUITETURA DE HISTÓRIAS

5 – A arquitetura sustentável é um ponto forte dos projetos da Todos. Esse diferencial vem acompanhado da vontade de se tornarem multiplicadores de um ideal?

R.: (Todos Arquite­tu­ra) A arquite­tu­ra sus­ten­táv­el vai além de mate­ri­ais e proces­sos, é um pen­sa­men­to maior que envolve o entorno e as pes­soas, as relações soci­ais e econômi­cas, o tem­po e sua pas­sagem, per­mitin­do sem­pre novas leituras, novas conexões, fazen­do de cada lugar um espaço.
Acred­i­ta­mos que a arquite­tu­ra é inte­grar os sen­ti­dos, téc­ni­ca e pes­soas, é ampli­ar a sin­er­gia entre for­ma e função, trazen­do o humano como ele­men­to cen­tral de toda pais­agem. É menos padroniza­ção e mais emoção.

6 – Talvez o volume de informações sobre design nunca tenha sido tão grande como atualmente. Essa democratização de conteúdos prejudica ou inspira o mercado?

R.: (Mau­rí­cio Arru­da) Essa democ­ra­ti­za­ção inspi­ra e mudou o mer­ca­do. É impor­tante enten­der que os clientes estão cada vez mais infor­ma­dos, então já existe infor­mar sobre design e dec­o­ração. Esse tipo de con­teú­do, essa tro­ca de infor­mações e diál­o­go entre o con­sum­i­dor e o arquite­to e o design tem sido muito mais rica e inter­es­sante, muito mais pro­fun­da nas questões de arquite­tu­ra, de espaço, de soluções, inclu­sive nas questões téc­ni­cas, então, quan­to mais tiver­mos esse vol­ume de infor­mações giran­do, acho que é muito mel­hor para o mer­ca­do e para nos­sa cul­tura de arquite­tu­ra e design, pois con­seguimos ter diál­o­gos mais apro­fun­da­dos e menos super­fi­ci­ais. Acho bem impor­tante isso estar acon­te­cen­do.

7 – Maurício, você está há 2 temporadas no Decora. Hoje em dia acredita que a sua experiência influencia mais no processo criativo do programa ou é o programa que influencia mais as suas inspirações?

R.: (Mau­rí­cio Arru­da) Acho que acon­te­cem as duas coisas, acho que o pro­gra­ma mudou bas­tante a min­ha maneira de solu­cionar alguns prob­le­mas porque de fato a gente pre­cisa solu­cionar de uma maneira mais práti­ca mais econômi­ca, mais sus­ten­táv­el, mais ráp­i­da, então isso influ­en­cia nas decisões e me fez entrar em con­ta­to com várias soluções e vários mate­ri­ais que eu nun­ca tin­ha uti­liza­do. Mas acho que acon­tece o opos­to tam­bém, que eu influ­en­ciei bas­tante a car­ac­terís­ti­ca do pro­gra­ma, que o grande obje­ti­vo que eu desco­bri apre­sen­tan­do o pro­gra­ma foi que ele tem uma respon­s­abil­i­dade de ensi­nar as pes­soas a refor­mar, então acho que esse é o grande foco do tra­bal­ho que a gente tem feito e de todas as trans­for­mações que a gente está fazen­do no pro­gra­ma aos poucos. Temos muitas novi­dades para 2018, esta­mos refor­mu­lan­do o pro­gra­ma inteiro, jus­ta­mente com esse obje­ti­vo de traz­er mais infor­mações às pes­soas, falar mais sobre design não só do pon­to de vista téc­ni­co, mas do com­por­ta­men­to… Como a nos­sa maneira de usar a casa, de refor­mar está mudan­do, sobre a democ­ra­ti­za­ção do design, como as pes­soas começaram a dar mais val­or pra esse tipo de coisa, então acon­tece os dois, eu sou bas­tante influ­en­ci­a­do pelo pro­gra­ma e ten­ho deix­a­do min­ha dig­i­tal e a da Todos no Dec­o­ra.

8 – Ter você (Maurício Arruda) exposto de uma forma tão positiva num programa como o Decora mudou alguma coisa da rotina do escritório?

R.:(Mau­rí­cio Arru­da) Acho que a gente amadure­ceu como escritório nesse proces­so, foi uma maneira de crescer­mos. Existe uma equipe que está no escritório, os arquite­tos, esse tra­bal­ho em equipe tem sido muito impor­tante, não só do pon­to de vista do cresci­men­to dos nos­sos pro­je­tos, mas da nos­sa empre­sa, nos­sa cul­tura da empre­sa. Troux­e­mos pes­soas muito legais e com­pe­tentes que vier­am de out­ros escritórios, que troux­er­am baga­gens inter­es­santes, então acho que esta­mos crescen­do de uma maneira inteligente e racional. O escritório se mod­ern­i­zou, a Todos é um escritório novo, mas ele é com­ple­ta­mente difer­ente de como era meu escritório antes de a Todos exi­s­tir, e isso se deve a um tra­bal­ho feito em equipe.

9 – Voltando às narrativas da arquitetura, algumas histórias (de clientes ou personagens) podem ter marcado a carreira de vocês… Existe uma que se destaque?

R.: (Mau­rí­cio Arru­da) Acho que tem mui­ta história, que todo escritório de arquite­tu­ra pode­ria escr­ev­er um livro com a quan­ti­dade de histórias que a gente tem para con­tar. Mas acho que o mais impor­tante é que a gente tem feito grandes ami­gos, tem cri­a­do relações impor­tantes no mer­ca­do e con­segui­do faz­er o tra­bal­ho que sem­pre quise­mos faz­er des­de o começo, que é um tra­bal­ho de brand­ing 3D nos escritórios. Acho que con­seguimos amadure­cer nos­sa metodolo­gia cria­ti­va, nos­so proces­so de cri­ação envol­ven­do o cliente e os fornece­dores. Temos tam­bém a relação de con­fi­ança com os clientes e isso é um grande priv­ilé­gio, con­stru­ir relações duradouras. E isso tem sido uma respos­ta muito pos­i­ti­va em relação ao tra­bal­ho que esta­mos fazen­do.