Decoração do quarto do casal, que tal um espaço idílico?

SOLTE A IMAGINAÇÃO E FAÇA DA DECORAÇÃO DO QUARTO DO CASAL UMA ODE AOS SENTIDOS; VOCÊ MERECE CONFORTO E ESTILO NO ESPAÇO MAIS ÍNTIMO DA CASA

POR RICARDO ROCA

 dia a dia cor­ri­do, as obri­gações profis­sion­ais, os prob­le­mas que todos temos, as difi­cul­dades do cotid­i­ano… tudo isso pode ficar do lado de fora do quar­to do casal e a dec­o­ração tem um papel fun­da­men­tal nis­so tudo.

Como sem­pre, quan­do se fala em dec­o­ração, e nes­sa edição vamos falar mais especi­fi­ca­mente do quar­to do casal, esta­mos tratan­do de per­son­al­i­dade, de gos­to pes­soal, do per­fil das pes­soas que vão habitar deter­mi­na­do espaço. Nesse caso, como em out­ros, não há cer­to e erra­do, mas há o mais ade­qua­do e o esteti­ca­mente mais bem elab­o­ra­do.

Des­de o iní­cio, ago­ra já em sua 8ª edição, a Revista Dell’Ambiente bus­ca tratar de temas que inter­essem e aten­dam aos anseios dos mais difer­entes esti­los e per­fis de públi­co, abrangen­do arquite­tu­ra, refor­mas, design, arte, móveis plane­ja­dos e tudo mais que pos­sa inter­es­sar a quem vai con­stru­ir e/ou dec­o­rar imóveis res­i­den­ci­ais ou com­er­ci­ais, sem­pre con­cil­ian­do qual­i­dade e prati­ci­dade. Nes­ta edição, como men­ciona­do, vamos tratar de um espaço mais pri­v­a­ti­vo, em que o foco é o des­can­so, a intim­i­dade e o con­for­to.

Em edições ante­ri­ores já vimos um pouco a respeito, como, por exem­p­lo, nos tex­tos cor­re­latos Dor­mitório de casal: Prati­ci­dade e con­for­to em um só lugar e Pro­je­tos de clos­et: uma solução per­son­al­iza­da, ambos de Tamires Criscio ou Dec­o­ração do quar­to é mais que esti­lo, de Rober­ta Civ­itarese. O assun­to tam­bém é abor­da­do em blogs, vídeos e pági­nas diver­sas pela inter­net, como nas 67 ideias de quar­tos de casal para você se inspi­rar e copi­ar, da revista Clau­dia; ou nos 5 esti­los de dec­o­ração para quar­to de casal, do blog Com­pran­do meu Apê; e nos vídeos Dec­o­ran­do Quar­to de Casal Gas­tan­do Pouco, do canal de Palo­ma Soares e Ideia de dec­o­ração para quar­to de casal, do canal Limaon­agua.

Assim, con­sideran­do isso tudo e pen­san­do que esse espaço pre­cisa ser efe­ti­va­mente de pri­vaci­dade, con­for­to e bem-estar a seus ‘usuários’, traze­mos algu­mas dicas difer­entes sobre como explo­rar a dec­o­ração do quar­to do casal a par­tir de um olhar difer­ente.

Os cinco sentidos e a decoração do quarto do casal

O quar­to do casal tem muitas funções; além de servir para guardar e orga­ni­zar roupas pes­soais e, muitas vezes, de cama e ban­ho, pode ser vis­to como local de des­can­so e de intim­i­dade. Os cin­co sen­ti­dos nos reme­tem à per­cepção que temos do uni­ver­so que nos cer­ca a par­tir do tato, olfa­to, visão, pal­adar e audição.

Você talvez este­ja se per­gun­tan­do qual a relação dos sen­ti­dos com a dec­o­ração do quar­to do casal. Vejamos algu­mas dessas relações e pos­si­bil­i­dades:

Tato - difer­ente­mente dos out­ros sen­ti­dos, o tato não é rela­ciona­do a um órgão especí­fi­co do cor­po humano, uma vez que seus recep­tores estão pre­sentes em todo o cor­po. A roupa de cama, por exem­p­lo, além do aspec­to estéti­co, pode ser explo­ra­da pelo toque agradáv­el que pro­por­ciona ao cor­po; roupas de cama de algo­dão têm o toque das fibras nat­u­rais, um ‘ajuste’ maior quan­to a tem­per­atu­ra exter­na e não ‘pini­cam’. Uma car­ac­terís­ti­ca impor­tante para avaliar qual­i­dade e con­for­to é o número de fios; quan­to maior o número, maior a maciez e a dura­bil­i­dade do teci­do.

Para tapetes, almo­fadas, trav­es­seiros e edredons o raciocínio é o mes­mo, mas out­ros critérios devem ser con­sid­er­a­dos. A escol­ha de um tapete mais fino ou mais felpu­do, por exem­p­lo, cer­ta­mente deve levar em con­ta tam­bém o bol­so e questões de saúde res­pi­ratória dos moradores. De qual­quer for­ma, o toque agradáv­el deve ser con­sid­er­a­do na escol­ha do que vai faz­er parte da dec­o­ração do quar­to do casal e ambos devem refle­tir e opinar.

O colchão é out­ro ele­men­to fun­da­men­tal para a qual­i­dade de vida e sua escol­ha deve ser muito bem pen­sa­da. Por vezes, no momen­to da com­pra, o acú­mu­lo de despe­sas pre­ocu­pa e pode ‘forçar’ a escol­ha de uma opção mais bara­ta; con­sidere que você vai pas­sar 1/3 dos seus dias na cama, des­cansan­do, com seu(sua) parceiro(a).

Olfa­to — Hoje em dia há muitas opções de arom­a­ti­zadores de ambi­ente volta­dos para o quar­to; é necessário tomar cuida­do com a escol­ha em vista do tem­po que pas­samos nesse espaço, o cheiro não pode ser muito forte e enjoa­t­i­vo, deve ser suave e agradáv­el. O mes­mo cuida­do vale para essên­cias e velas. Incen­sos podem ser uti­liza­dos em momen­tos e ocasiões espe­ci­ais.

A opção por plan­tas e flo­res tam­bém é viáv­el e inter­es­sante, mas deman­da um tra­bal­ho maior de manutenção. Con­sidere se você tem o tem­po disponív­el e o per­fil necessário para realizar esse cuida­do. O mes­mo vale para essên­cias e velas.

Visão – Talvez o sen­ti­do com maior vín­cu­lo com a dec­o­ração. Podemos con­sid­er­ar ini­cial­mente o con­jun­to de cores que vão com­por esse ambi­ente, pre­dom­i­nan­te­mente com cores mais claras, voltadas para o estí­mu­lo ao des­can­so, mas com ele­men­tos que tam­bém estim­ulem a imag­i­nação e a cria­tivi­dade, impor­tantes para a inspi­ração do casal. Aqui, como já men­ciona­do, tudo depende do per­fil do casal, das prefer­ên­cias pes­soais e do que é pro­je­ta­do para esse cômo­do. Se as pare­des e corti­nas forem mais claras, voltadas para o bran­co, é inter­es­sante que alguns obje­tos dec­o­ra­tivos e a roupa de cama apre­sen­tem cor, que­bran­do a ‘monot­o­nia’ do espaço.

A ilu­mi­nação pas­sa a ter papel fun­da­men­tal e as opções nes­sa área são muitas, sem­pre vin­cu­ladas ao uso que se pre­tende dar ao espaço. Se hou­ver inter­esse em leitu­ra, luminárias e pen­dentes podem ser inter­es­santes, se um dos inte­grantes do casal gos­ta de ficar acor­da­do até mais tarde, mas quer ficar jun­to do(a) parceiro(a), pode ser inter­es­sante inve­stir em uma tele­visão, que pode ficar em uma parede ou sobre um aparador. Há apar­el­hos de todos os taman­hos e isso pode até con­tribuir para que o casal per­maneça mais tem­po jun­to na cama. Imag­ine nos dias frios ou chu­vosos, por exem­p­lo.

Luz mais bran­ca aumen­ta a ‘leitu­ra espa­cial’ enquan­to luz amarela traz mais aconchego e intim­i­dade. Luz dire­ta ou indi­re­ta? Quadros dão per­son­al­i­dade para o ambi­ente, o que tam­bém acon­tece com obje­tos pes­soais que car­regam histórias de cada um e do casal… São muitas as escol­has e devem con­sid­er­ar sem­pre os obje­tivos e dese­jos de ambos.

Pal­adar – Esse talvez seja o sen­ti­do com menor vín­cu­lo com a dec­o­ração, mas pode com­ple­men­tar muito bem essa viagem pelos sen­ti­dos na dec­o­ração do quar­to do casal. Ain­da que não seja tão comum, um frigo­b­ar pode ser muito práti­co e ofer­e­cer ain­da mais pri­vaci­dade ao casal se out­ras pes­soas morarem na casa.

Audição – Difer­entes aspec­tos rela­ciona­dos a audição devem ser con­sid­er­a­dos na dec­o­ração do quar­to do casal. Se o casal reside em uma região com muitos barul­hos exter­nos, pode con­sid­er­ar o inves­ti­men­to em janelas anti-ruí­dos ou, se os sons não forem tão inten­sos, em uma corti­na black­out.

Tam­bém é pos­sív­el explo­rar o uso de cd-play­ers para ‘ilus­trar’ o ambi­ente, de acor­do com o obje­ti­vo esper­a­do; sons relax­antes para dormir ou ape­nas des­cansar, músi­cas mais român­ti­cas para momen­tos espe­ci­ais do casal, ou sons e músi­cas para inspi­rar e per­mi­tir uma ‘viagem’ lúdi­ca. Lem­bre-se, a arte em ger­al e a músi­ca em par­tic­u­lar tem o poder de nos trans­portar pelo tem­po e espaço.

Seu quar­to é um uni­ver­so de pos­si­bil­i­dades

Fica claro que as pos­si­bil­i­dades são infini­tas e depen­dem muito da cria­tivi­dade e dos obje­tivos de cada casal. Além dos itens men­ciona­dos, muitos out­ros ele­men­tos estim­u­lam, pos­i­ti­va ou neg­a­ti­va­mente os sen­ti­dos. Ar condi­ciona­do; tipo de cama (e cabe­ceira); cadeiras/poltronas; espel­hos ampli­am os espaços, mas é necessário que sejam bem uti­liza­dos…

Obvi­a­mente o casal deve con­ver­sar, pen­sar no que cada um gostaria, nas pos­si­bil­i­dades que o espaço ofer­ece, que o con­tex­to de cada família per­mite, con­sid­er­ar o aspec­to finan­ceiro, claro, mas sem descar­tar os son­hos e dese­jos, nego­ciar sem­pre. Essa con­strução a dois faz toda a difer­ença.

Um brinde à intim­i­dade!