Está em dúvida sobre o vestibular? Entenda tudo sobre o curso de Arquitetura!

ESCOLHER A CARREIRA PODE SER UM PROCESSO DIFÍCIL, VEJA ALGUMAS CARACTERÍSTICAS DO PROFISSIONAL E DO MERCADO!

POR: JULIA EID

Está em dúvida sobre o vestibular? Entenda tudo sobre o curso de Arquitetura!palavra “Arquite­tu­ra” vem do grego Arkhé (“prin­ci­pal”) e tékhton (“con­stru­tor”). Um arquite­to tem a função de pro­je­tar e dec­o­rar ambi­entes inter­nos e exter­nos, unin­do fun­cional­i­dade, con­for­to e estéti­ca. Em sín­tese, poderíamos diz­er que o cur­so de arquite­tu­ra ensi­na como é o proces­so artís­ti­co e téc­ni­co de cri­ar e orga­ni­zar difer­entes espaços que aten­dam às diver­sas neces­si­dades humanas.

Está em dúvida sobre o vestibular? Entenda tudo sobre o curso de Arquitetura!

O que faz o Arquiteto:

   O profis­sion­al de Arquite­tu­ra é respon­sáv­el por plane­jar, orga­ni­zar, coor­denar as con­struções de edifí­cios e espaços, obe­de­cen­do aos reg­u­la­men­tos e às nor­mas téc­ni­cas em todas as instân­cias. Tam­bém deter­mi­na os mate­ri­ais mais ade­qua­dos a cada caso, levan­do em con­ta a fun­cional­i­dade, dis­posição dos obje­tos, acús­ti­ca, ilu­mi­nação, ven­ti­lação, manutenção e a estéti­ca. Um impor­tante fator que tam­bém é con­sid­er­a­do por arquite­tos é o impacto ambi­en­tal que sua con­strução pode causar.

Está em dúvida sobre o vestibular? Entenda tudo sobre o curso de Arquitetura!

   O tra­bal­ho do arquite­to é dire­ciona­do para a res­olução estéti­ca e fun­cional da obra, sendo essa uma das car­ac­terís­ti­cas que o difere da ação de um profis­sion­al da engen­haria civ­il, que é a respon­sáv­el por plane­jar e solu­cionar questões estru­tu­rais e téc­ni­cas do pro­je­to.

Sobre o curso de Arquitetura:

   Para atu­ar na área de Arquite­tu­ra é pre­ciso realizar o cur­so supe­ri­or, for­mação bacharel, com duração média de 5 anos. A grade cur­ric­u­lar reúne dis­ci­plinas de Exatas e Ciên­cias Humanas e a maio­r­ia da car­ga horária é com­pos­ta por aulas práti­cas.

Mel­hores Fac­ul­dades de Arquite­tu­ra no país pelo Rank­ing Uni­ver­sitário Fol­ha:

1º- Uni­ver­si­dade Fed­er­al de Minas Gerais (UFMG)
2º- Uni­ver­si­dade Fed­er­al do Rio Grande do Sul (UFRGS)
3º- Uni­ver­si­dade de São Paulo (USP)
4º- Uni­ver­si­dade Fed­er­al do Rio de Janeiro (UFRJ)
5º- Uni­ver­si­dade Pres­bi­te­ri­ana Macken­zie (MACKENZIE)
6º- Uni­ver­si­dade Fed­er­al do Paraná (UFPR)
7º- Uni­ver­si­dade Fed­er­al de San­ta Cata­ri­na (UFSC)
8º- Uni­ver­si­dade Estad­ual de Camp­inas (UNICAMP)
9º- Uni­ver­si­dade de Brasília (UNB)
10º- Pon­tif­í­cia Uni­ver­si­dade Católi­ca do Rio Grande do Sul (PUCRS)

Mercado de trabalho:

   O arquite­to pode atu­ar em diver­sas áreas como: arquite­tu­ra de inte­ri­ores, arquite­tu­ra indus­tri­al, restau­ro de pré­dios, urban­is­mo, arquite­tu­ra verde e sus­ten­táv­el, edi­fi­cações e con­struções, luminotéc­ni­ca e pais­ag­is­mo. A faixa salar­i­al da profis­são no mer­ca­do de tra­bal­ho é em média de R$4.902.

Está em dúvida sobre o vestibular? Entenda tudo sobre o curso de Arquitetura!

   O mer­ca­do de tra­bal­ho para o profis­sion­al em Arquite­tu­ra depende muito da situ­ação econômi­ca por que o país pas­sa, pois há maior deman­da de con­struções quan­do a econo­mia está esta­bi­liza­da e pos­i­ti­va. Além de seu cam­po priv­i­le­gia­do de atu­ação, tam­bém há opor­tu­nidades em out­ra áreas que estão em expan­são, como com os cur­sos de arquite­tu­ra de inte­ri­ores ou aos espaços públi­cos e as con­struções sus­ten­táveis.

Está em dúvida sobre o vestibular? Entenda tudo sobre o curso de Arquitetura!

   Em entre­vista para o guia do estu­dante, o Arquite­to Adri­ano Soares, for­ma­do pela Uni­ver­si­dade Fed­er­al de San­ta Cata­ri­na diz: “A profis­são tam­bém não se restringe às con­struções, obras e desen­hos. A car­reira de arquite­to e urban­ista pro­por­ciona uma visão de cidade e comu­nidade priv­i­le­gia­da em relação a out­ras car­reiras. Ou seja, há muitos arquite­tos seguin­do car­reiras políti­cas, tra­bal­han­do em ONGs, desen­vol­ven­do pesquisas em habitação pop­u­lar, pre­stando serviços gerais a comu­nidades car­entes.”