Casa impressa em 3D custa menos de 32 mil e pode ficar pronta em 24h.

TECNOLOGIA DE IMPRESSÃO 3D PERMITE DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS RÁPIDOS.

POR GABRIEL CARDOSO

A tec­nolo­gia de impressão 3D evoluiu con­sid­er­av­el­mente, no iní­cio da tec­nolo­gia basi­ca­mente era pos­sív­el cri­ar pequenos itens dec­o­ra­tivos, pouco fun­cionais e que demor­avam con­sid­er­av­el­mente para ser con­cluí­dos. Atual­mente, caso você ten­ha uma impres­so­ra 3D e paciên­cia, já é pos­sív­el imprim­ir uma grande var­iedade de obje­tos para casa, pre­sentes e próte­ses. No entan­to, uma das maiores rev­oluções da tec­nolo­gia de impressão 3D cer­ta­mente é sua apli­cação na arquite­tu­ra e na con­strução civ­il.

Em março de 2017, um grande avanço para a tec­nolo­gia de impressão 3D foi atingi­do. A empre­sa Apis Cor desen­volveu uma platafor­ma de impressão 3D on-site (no próprio can­teiro de obra) um avanço con­sid­eráv­el para uma tec­nolo­gia que ain­da está em for­mação. A casa, ficou pronta em ape­nas 24 horas e seu cus­to de pro­dução é ape­nas US$ 10.000 (R$ 32.000), um val­or baixo para uma residên­cia de 38 met­ros quadra­dos. O mate­r­i­al usa­do na impressão da residên­cia tam­bém é alta­mente tec­nológi­co, o Geo­ce­ment, que tem pro­priedades supe­ri­ores ao cimen­to tradi­cional.

Os con­ceitos de con­struções impres­sas não são total­mente novos, afi­nal já exis­tem pro­je­tos com suces­so na impressão 3D. Porém, todos os out­ros pro­je­tos desen­volvi­dos até o momen­to são pro­duzi­dos em um local e ape­nas insta­l­a­dos no can­teiro de obra, sim­i­lar a um jogo de lego. Entre os pro­je­tos de con­struções impres­sas, um dos mais inter­es­santes é a Vil­la que foi impres­sa em Shan­dong, Chi­na. A cidade rece­beu uma série de con­struções total­mente impres­sas que man­têm detal­h­es do esti­lo tradi­cional.

Com o esta­b­elec­i­men­to da tec­nolo­gia de con­struções impres­sas, o con­ceito de super­com­plex­os habita­cionais, como em obras de ficção cien­tí­fi­ca, pas­sam a ser uma pos­si­bil­i­dade para solu­cionar os prob­le­mas de mora­dia do futuro. Para o jovem fun­dador da empre­sa Caz­zauma das star­tups de con­struções impres­sas do vale do silí­cio, o poten­cial da impressão de edifí­cios é tão grande que é uma questão de tem­po até a tec­nolo­gia se desen­volver total­mente.

Qual sua visão sobre as residên­cias impres­sas em 3D, você as con­sid­era uma alter­na­ti­va viáv­el para os arquite­tos e como for­ma de mel­ho­rar as habitações pop­u­lares? Com­par­til­he sua opinião com seus ami­gos sobre essa nova tec­nolo­gia!