Alessandro Malara e a paixão por projetos residenciais

ALESSANDRO MALARA E A PAIXÃO POR PROJETOS RESIDENCIAIS ARQUITETO DE DESTAQUE NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO, ALESSANDRO MALARA CONTA UM POUCO DE SUA HISTÓRIA E APRESENTA PROJETOS DE SEU ESCRITÓRIO

POR ROBERTA CIVITARESE

orma­do em Arquite­tu­ra e Urban­is­mo em Bau­ru pela UNESP, Uni­ver­si­dade Estad­ual Paulista, em 2005, Alessan­dro acu­mu­la exper­iên­cias na área da con­strução civ­il há muito mais tem­po.  Em 1992 começou a tra­bal­har como desen­hista copista, pro­jetista e téc­ni­co. Sua atu­ação como arquite­to, depois da fac­ul­dade, pas­sou por todas fas­es: foi fun­cionário, par­ceiro, sócio, até que em 2008 abriu seu próprio escritório, em Cotia-SP.

O desen­volvi­men­to de pro­je­tos per­son­al­iza­dos se tor­na evi­dente tan­to nas obras res­i­den­ci­ais quan­to empre­sari­ais. Com uma visão que preza a fun­cional­i­dade e sus­tentabil­i­dade na cri­ação estéti­ca, Alessan­dro Malara vem gan­han­do destaque em Barueri, Cotia, Vargem Grande Paulista, e na cidade de São Paulo. E não são só o profis­sion­al­is­mo e a cria­tivi­dade que chamam a atenção no arquite­to, que é uma sim­pa­tia ímpar. É com Alessan­dro Malara a entre­vista des­ta edição.

REVISTA DELL AMBIENTEAté alguns anos atrás a contratação de um arquiteto para projetar uma casa e cuidar da obra podia ser vista como um trabalho mais elitizado e caro. Você percebe que esse cenário mudou?

ALESSANDRO MALARA: A arquite­tu­ra é uma óti­ma fer­ra­men­ta de inclusão social, sendo fator impor­tante para mel­ho­rar a qual­i­dade de vida de todas as pes­soas. Por isso, ape­sar de parte do públi­co acred­i­tar que o tra­bal­ho do arquite­to é algo eli­ti­za­do e restri­to as class­es média e alta, nos­sa função até mes­mo como profis­sion­al da área é desmisti­ficar essa crença. Um bom pro­je­to diminui cus­tos de exe­cução e mel­ho­ra dras­ti­ca­mente a qual­i­dade estéti­ca e fun­cional da con­strução e é nes­sa con­jec­tura que ten­to inserir meus pro­je­tos, respei­tan­do as sub­je­tivi­dades de cada um dos meus clientes.

REVISTA DELL AMBIENTEComo você avalia o mercado atualmente?

ALESSANDRO MALARA: O mer­ca­do apre­sen­tou um perío­do de insta­bil­i­dade na con­strução civ­il após 2014, que aparente­mente cam­in­ha para uma mel­ho­ra grada­ti­va neste ano de 2018. A pop­u­lação em ger­al voltou a inve­stir no son­ho da casa própria ou mes­mo no próprio negó­cio e esse aque­c­i­men­to da econo­mia reflete dire­ta­mente no mer­ca­do da con­strução civ­il.

REVISTA DELL AMBIENTEO seu escritório também se especializou no gerenciamento de obras e licenciamentos. Essa é uma área sempre em movimento?

ALESSANDRO MALARA: Com certeza. Todas empre­sas neces­si­tam ter sua parte doc­u­men­tal em ordem, estar reg­u­lar­iza­da per­ante a órgãos como Cetesb (quan­do fab­ri­ca algum pro­du­to ou ali­men­to), vig­ilân­cia (quan­do mexe com áreas ali­men­tí­cias, far­ma­cêu­ti­cas ou de estocagem), bombeiros (todos os casos) e DER (empre­sas em rodovias e vias de grande cir­cu­lação) e meu escritório tam­bém ofer­ece esse tipo de auxílio. Nes­sa área de atu­ação tive o praz­er de tra­bal­har com empre­sas de diver­sas áreas, tais como Del­pak (embal­a­gens) e Sodiê Doces (ali­men­ticías).

REVISTA DELL AMBIENTEVoltando aos projetos residenciais, a sua atuação é bem ampla, já que além de casas de condomínio você também desenvolve também imóveis mais populares, a baixo custo. Nesses últimos, como inovar sempre para conquistar os clientes?

ALESSANDRO MALARA: Acho que o grande difer­en­cial nesse que­si­to é ten­tar man­ter um bom padrão e apre­sen­tar soluções viáveis eco­nomi­ca­mente, que não aban­donem a qual­i­dade estéti­ca e tec­nológ­i­ca. Hoje o mer­ca­do apre­sen­ta diver­sas opções de pro­du­tos que têm um visu­al bacana, alta dura­bil­i­dade e aju­dam a diminuir o gas­to abso­lu­to com reves­ti­men­to e acaba­men­to (que podem ser respon­sáveis por até 35% do val­or total da obra).

Tam­bém uti­lizar de difer­entes for­mas con­stru­ti­vas, pla­cas pré-moldadas, blo­cos estru­tu­rais que per­mitem menor des­perdí­cio por que­bras, reves­ti­men­tos sim­ples mas com efeito visu­al atraente como o cimen­ta­do resina­do e assim por diante. A pesquisa é uma exce­lente fer­ra­men­ta para inve­stir em mate­ri­ais que per­mi­tam que o cus­to final seja algo acessív­el para quem quer ter sua casa própria.

Pro­je­tos desen­volvi­dos com mate­ri­ais alter­na­tivos, que aprox­i­maram o cus­to da con­strução ao orça­men­to disponív­el, man­ten­do a qual­i­dade.
Casa par­que das artes – Embu

REVISTA DELL AMBIENTEVocê tem planos para investir mais em projetos populares?

ALESSANDRO MALARA: Acho que a con­strução pop­u­lar se tor­na um desafio inter­es­sante pois nos obri­ga a ser ain­da mais cria­tivos e fugir do con­ven­cional, que é ter um alto orça­men­to para escol­her mate­ri­ais e acaba­men­tos, não ter pre­ocu­pações com área con­struí­da e assim por diante. Nela temos um orça­men­to bem lim­i­ta­do, exigin­do pesquisa e cria­tivi­dade para edi­ficar algo com cus­to abaixo do usu­al, mas sem perder a qual­i­dade con­stru­ti­va ali­a­da a fatores que tornem o ambi­ente agradáv­el ao usuário.

REVISTA DELL AMBIENTEConsegue imaginar algum projeto que você rejeitaria?

ALESSANDRO MALARA: Eu rejeitaria um pro­je­to onde eu vejo que a plan­ta se tor­na um mero detal­he que aca­ba sendo descar­ta­do no decor­rer da con­strução. É muito frus­trante pen­sar no cor­re­to fun­ciona­men­to de uma empre­sa ou residên­cia, ter horas e horas de tra­bal­ho e ver que não seguiram o que foi ide­al­iza­do por uma equipe (arquite­to, clientes e presta­dores). Infe­liz­mente mui­ta gente com­pra um pro­je­to mas aca­ba por ir fazen­do alter­ações que ao final rep­re­sen­tam muito pouco do que seria o pro­je­to real, seja para cor­tar cus­tos ou mes­mo pela exe­cução de profis­sion­ais que não estão em sin­to­nia com os con­cep­tores das ideias.

REVISTA DELL AMBIENTEE o projeto dos sonhos, qual é?

ALESSANDRO MALARA: Creio que pro­je­to dos son­hos é aque­le que con­si­go cap­tar os dese­jos do cliente e trans­for­má-los em real­i­dade. A mel­hor sen­sação que ten­ho é quan­do, ao final de uma obra, o cliente me liga todo orgul­hoso com o resul­ta­do, me parab­enizan­do por faz­er parte desse son­ho. Ten­ho a sorte de tra­bal­har com algo assim e isso me tor­na extrema­mente lison­jea­do por ser arquite­to.

Mais pro­je­tos assi­na­dos pelo escritório, unin­do o esti­lo do cliente à exper­iên­cia profis­sion­al do arquite­to Alessan­dro Malara.
Residên­cia Pal­los Verdes — Gran­ja Vian­na